Comissão Científica:             

 

 

José Camões (coordenador)

 

Investigador integrado do Centro de Estudos de Teatro da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde desenvolve trabalho sobre a História do Teatro em Portugal e edição de teatro clássico português, produzindo ferramentas que preparam investigação nas «humanidades digitais». Centra a sua actividade de investigação sobretudo nos séculos XVI, XVII e XVIII, assegurando a coordenação científica de vários projectos: HTP on line - Documentos para a História do teatro em Portugal (www.fl.ul.pt/cethtp); Teatro de Autores Portgueses do Séc. XVI (www.cet-e-quinhentos.com); Teatro de Autores Portgueses do Séc. XVII (www.cet-e-seiscentos.com); Textos proibidos e censurados no teatro português do séc. XVIII.

Colabora nos projectos internacionais Léxico y vocabulario de la práctica escénica de los siglos de oro (projecto FFI2010-15465-FILO do Ministerio de Ciencia e Innovación de Espanha, dir. Evangelina Rodríguez (http://tc12.uv.es/index.php/lexico-y-vocabulario-de-la-practica-escenica-de-los-siglos-de-oro) e Classical Spanish Theatrical Patrimony. Texts And Research Instruments (Projecto Consolider - Tece-Tei;Csd2009-00033), dir. Joan Oleza, Universidad de Valencia.

Docente do programa em Estudos de Teatro da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, responsável pelos seminários de História do Teatro em Portugal.

Editor de teatro clássico português: As Obras de Gil Vicente (Cd-Rom, 2001; INCM, 2002, 5 vols.), Teatro de Autores Portugeses do Século XVI (vários volumes já publicados e em curso), Comédias, de Sá de Miranda (2013); Anrique Aires Vitória, Tragédia da Vingança que Foi Feita Sobre a Morte del Rei Agaménom (Tragédia de Orestes) (2011); Comédias de Simão Machado, (com José Javier Rodríguez Rodríguez e Helena Reis Silva, 2009), António Prestes, Autos (2008).

Director e editor da colecção de textos do século XVIII do Centro de Estudos de Teatro (Benedetto Marcello, O Teatro à Moda, 2009; Molière, O Amor Médico, 2011; A Ramalheteira da Sécia dando Pasto de Escárnio a um Estudante, 2012, Jean-Jacques Rousseau, Narciso ou namorado de si mesmo; Narciso ou o peralta namorado de si mesmo, 2012).

 

 

 

José Javier Rodríguez Rodríguez

 

Doutor em Literatura Espanhola pela Universidad Complutense de Madrid, José Javier Rodríguez Rodríguez é actualmente professor na Universidade do País Vasco (UPV-EHU). As suas principais áreas de investigação são a literatura e o teatro espanhóis dos séculos XVI e XVII e as relações teatrais e literárias luso-espanholas nessa época. É membro colaborador do Centro de Estudos de Teatro e integra a equipa dos projecto Teatro português do século XVII: Uma biblioteca digital, TC/12 Patrimonio teatral clásico español. Textos e instrumentos de investigación. (Programa Consolider Ingenio CSD 2009-00033) e Edición y estudio de treinta y seis comedias de Lope de Vega (FFI 2012-35950). É editor do teatro de Lope de Vega, El desconfiado (2014, no prelo), de António de Almeida La verdad escurecida / El hermano fingido (2012) e co-editor da obra dramática de Simão Machado Comédias (2009).

 

 

 

Maria Idalina Resina Rodrigues

 

Professora catedrática jubilada da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. É docente convidada das Universidades de Áquila, Madeira, Católica Portuguesa, Salamanca e Sevilha.

Desenvolve a sua actividade de investigação no âmbito da literatura e cultura espanhola e portuguesa dos séculos XVI e XVII.

Foi directora da revista Românica. Revista de Literatura, do Departamento de Literaturas Românicas da FLUL. Entre as suas publicações encontram-se os volumes que reúnem artigos publicados ao longo dos anos De Gil Vicente a Lope de Vega: Vozes Cruzadas no Teatro Ibérico. Lisboa, Teorema, 1999 e De Gil Vicente a «Um Auto de Gil Vicente». Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2006.

 

 

 

Mercedes de los Reyes Peña

 

Professora catedrática de Literatura espanhola da Universidade de Sevilha.

A sua investigação centra-se prioritariamente no estudo das diferentes manifestações do teatro espanhol dos séculos XVI e XVII, com algumas incursões no teatro do século XVII e outras mais esporádicas no século XIX, assim como algumas muito pontuais na poesia lírica de finais do século XIX e primeira metade do século XX. A consideração do teatro na sua faceta dupla de texto literário e espectacular determinou edições e estudos de natureza tão diversa como a crítica atextual, a análise literária, a reconstrução de espaços de representação, actores e companhias, a presença do teatro espanhol do século de ouro além fronteiras (Portugal, Áustria e Américas) e dramaturgos andaluzes, os temas de maior relevo entre os que abordou tanto pelos caminhos que abriram como pela sua aceitação por parte da crítica. Esta investigação e os seus resultados foram publicados em revistas espanholas e entrangeiras, em volumes monográficos, em capítulos de livro, em actas de congressos e seminários e também na web. Entre a sua bibliografia podem destacar-se os seguintes títulos: El «Códice de Autos Viejos». Un estudio de historia literaria (1988); Mascarada Jocoseria en la Sevilla de 1742 (Teatro en la calle) (1992) em colaboração com Piedad Bolaños Donoso; La presencia de la mujer en el teatro barroco español (1998) ed.; El vestuario en el teatro español del Siglo de Oro (2007, 2ª ed. rev.) dir. e ed.; Cuaderno de teatro andaluz del siglo XVI (2004) y Cuaderno de teatro andaluz del siglo XVII (2006), em colaboração com outros investigadores; El príncipe tirano. Comedia y Tragedia, Juan de la Cueva, ed., introd. e notas (2008) em colaboração com María del Valle Ojeda Calvo e José Antonio Raynaud.

 

 

 

Teresa Araújo

 

Professora auxiliar com agregação da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Lecciona e dedica a sua investigação à literatura portuguesa, especialmente às letras dos séculos XVII-XVIII e de tradição memorial. Neste âmbito, tem participado em projectos de investigação financiados (nomeadamente como investigadora responsável) e, entre as suas últimas publicações, conta com estudos editados em revistas indexadas e em livros colectivos com arbitragem científica, quer internacionais, quer impressos em Portugal. Entre eles, encontram-se “A alusão a romances nas letras portuguesas dos séculos XV-XVII”, Arbor. Ciencia, pensamiento y cultura (Madrid, CSIC, n.º 766, 2014), “A cigarra ou a formiga? Metamorfose axiológica nos fabulários portugueses (séculos XVII-XIX)”, in Hanicot-Bourdier et al. (dir.), Normes et déviances dans le monde luso-hispanophone (Nancy, PUN–EUL, 2013), “Perscrutar a memória antiga dos romances”, in Cristina Almeida Ribeiro et al. (org.), Cancioneiro Geral de Garcia de Resende: um Livro à Luz da História, Vila Nova de Famalicão, Húmus, 2012) e “O conhecimento das tradições para o progresso da pátria”, in Helena Buesco et al. (coord.), Memória e Cidadania na Literatura Tradicional (Casal de Cambra, Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República, 2011).

 

 

 

Vanda Anastácio

 

Professora Associada da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. É membro integrado do Centro de Estudos Clássicos da mesma Universidade e colabora regularmente com outros Centros de Investigação em Portugal e no Brasil. Trabalha sobre Literatura Portuguesa e Brasileira dos séculos XVI a XVIII. Publicou, entre outras obras, Visões de Glória (Uma introdução à Poesia de Pêro de Andrade Caminha), 2 vols., (1998), Viagem à Ilha do Amor do Cavaleiro de Oliveira (2001), as Obras de Francisco Joaquim Bingre, em 6 volumes (2000-2005) o Teatro Completo de Camões (2005), a correspondência trocada na juventude pela Marquesa de Alorna com a Condessa do Vimieiro (Cartas de Lília e Tirse (1771-1777), (2007), a colectânea de ensaios A Marquesa de Alorna (1750-1839) Estudos (2009).

Em 2008 publicou no Brasil Os Sonetos da Marquesa de Alorna. Acaba de editar, em 2013, Uma Antologia Improvável. A escrita das Mulheres (Séculos XVI-XVIII).